domingo, 1 de março de 2009

A arte da guerra


Há 3.000 anos, Sun Tzu escreveu o clássico “A arte da guerra.” Creio que podemos aplicar em nossas vidas diárias as cinco regras básicas do combate:

A fé:
antes de entrar numa batalha, é preciso acreditar no motivo da luta.

O Companheiro: escolha seus aliados e aprenda a lutar acompanhado, porque ninguém vence uma guerra sozinho.

O tempo: uma luta no inverno é diferente de uma luta no verão; um bom guerreiro presta atenção ao momento certo de entrar no combate.

O espaço: não se luta num desfiladeiro da mesma maneira que numa planície. Considere o que existe a sua volta, e a melhor maneira de mover-se.

A estratégia: o melhor guerreiro é aquele que planeja seu combate.


A arte da negociação: um guerreiro da luz não fica repetindo sempre a mesma luta - principalmente quando nota que não há avanços ou recuos.

Se o combate, depois de algum tempo, não tem avanços nem recuos, ele entende que é preciso sentar-se com o inimigo e discutir uma trégua.

Ambos já praticaram a arte da espada, e agora precisam se entender. É um gesto de dignidade e não de covardia. É um equilíbrio de forças, e uma mudança de estratégia.

Traçados os planos de paz, os guerreiros voltam para suas casas. Não precisam provar nada a ninguém; combateram o bom Combate, e mantiveram a fé. Cada um cedeu um pouco, aprendendo com isto a arte da negociação.


(Paulo Coelho)

2 comentários:

Jhennifer Cavassola disse...

Não conhecia esse texto do Paulo Coelho, mas a Arte da Guerra conheço até demais.
Tenho dois livros em casa e fiz uma dissertação a respeito.

Sábios aqueles que seguem a arte da guerra.

Ops, O nome é: Sun Tzu e não Chuan Tzu.

Vivian Sbrussi disse...

Oiii Jhennifer!!!
Adoro Paulo Coelho!!!
E Sun Tzu em A Arte da Guerra é maravilhoso!!!
Me tornei fã dele a pouco tempo, até conhecer o livro!
Muito bom!!!


Com certeza o nome está errado!!! hehehehhe Nem me liguei... obrigada pelo toque!!! já arrumei!!!